Assim surgiu Marília

Com base na obra de LARA (1991) a cidade de Marília nasceu em virtude de suas terras, que eram cobertas por matas virgens e possuía uma excepcional qualidade para a agricultura, que em 1923 atraiu a atenção de Antônio Pereira da Silva e seu filho José Pereira da Silva “o Pereirinha” que adquiriram 53 alqueires de terra e vieram a constituir o patrimônio Alto Cafezal onde surgiram as primeiras casas de tábuas e uma capela humilde erguida na colina, sendo Santo Antônio o padroeiro da nascente povoação. A exuberante qualidade das terras trouxe a futura Marília em 1926, Bento de Abreu Sampaio Vidal que adquiriu 3200 alqueires de terra, no espigão Peixe-Feio e que imediatamente tratou de lotear seu patrimônio.

Rua São Luiz 1929

Paralelamente as aquisições de terras, a então Companhia Paulista de Estradas de Ferro, vinha avançando seus trilhos de Piratininga para o espigão, chegando a Lácio (hoje é um distrito com comarca de Marília). A companhia férrea tinha como política nomear as estações que iam sendo inauguradas nesse ramal, em ordem alfabética, na seqüência, a próxima cidade deveria ter o seu nome iniciado pela letra “M”. Foi proposto pelo Dr. Adolfo Pinto os nomes de “Marathona”, “Macau” ou “Moguncia”, mas Bento de Abreu não satisfeito, deu a estação o nome de Marília, inspirado em uma leitura do poema “Marília de Dirceu”, de Tomas Antônio Gonzaga. O município de Marília foi criado em 24 de dezembro de 1928 e emancipado em 4 de abril de 1929.

Maternidade Gota de Leite

Até a década de 40 os partos em Marília, eram realizados através das mãos de parteiras. Somente em primeiro de maio de 1938 que surgiu a Associação feminina de Marília maternidade e gota de leite, onde os partos começaram a ser realizados por médicos, mas mesmo assim assistidos pelas parteiras por vontade das mães. A mesma encontra-se em funcionamento na Rua Nelson Spielmann, 631.

Tanuri 2003

Mercadão Municipal

Segundo TANURI (2001) o mercadão municipal começou a se constituir quando o Sr. Nicolau Ciraige e sua esposa Matilde, obtiveram a planta do mercado aprovada em 1937 e deu início a construção a cargo da Cia. Lar Nacional.

Era o centro hortigranjeiro e fruticultor da cidade e se localizava nas confluências das Ruas 15 de novembro e 9 de julho, permanecendo assim até os dias atuais, com alguma reformas que deram um ar de modernidade ao prédio de valor histórico para a cidade, que já teve sua época de áurea.

Fórum

Em 1928, Bento de Abreu Sampaio Vidal doara um terreno para a construção do fórum, que se instalou nas confluências das ruas São Luiz com a rua D. Pedro, depois se mudou para a confluência das ruas 9 de julho e 4 de abril (hoje Lotérica Predileta), em 1933 passou para a Rua Bahia, 201, e hoje se localiza na Rua Lourival Freire, 120 no prédio Dr. Waldemar Moniz da Rocha Barros.

Souto (2003)

Paço Municipal

O primeiro Paço municipal foi no edifício de madeira à rua Benjamim Motta (hoje 4 de abril), depois foi para a rua s. Luiz, esquina com a rua 9 de julho. A primeira posse da Câmara municipal de Marília realizou-se em 25 de março de 1929, onde Marília era comarca de Piratininga. O primeiro prefeito foi o Dr. Durval de Menezes que teve seu mandato de 4 de abril de 1929 à 10de outubro de 1930.

Paço Municipal década da 70

Em 1952 o prefeito Adorcino de Oliveira Lyrio, decidiu construir o prédio do paço municipal no terreno destinado ao mesmo, localizado na Avenida Sampaio Vidal. A planta do prédio foi confeccionada pelo engenheiro Miguel Badra com o auxilio do Arquiteto Dr. Ginez Velanga, mas somente em 1960 é que foi inaugurado o Paço municipal pelo prefeito Octávio Barreto Prado, o “Tatá”. SOUTO (2004)




Casa das Fábricas

Nas confluências das ruas Prudente de Moraes com a quatro de abril, localizava-se a Casa das Fábricas – uma grande loja que comercializava tecidos – e como todas a maioria das lojas da época tinha em seu piso superior a residência dos donos que atendiam as clientes que confeccionavam suas próprias roupas, mesmo em finais de semana ou tarde da noite.

Tanuri (2002)

Estação Ferroviária

De acordo com LARA (1991), em primeiro de junho de 1928, chegava á Marília a locomotiva nº. 201, dando inicio ao transporte ferroviário na cidade, com a Companhia Paulista, mas em 1971 surgiu a Fepasa – Ferrovia Paulista S.A. – criada pelo governo do E, unificando o sistema de transporte ferroviário do Estado de São Paulo. No momento desativado.

Chegada do primeiro trem a Marília.

Andrade descreve o trem como:

“... bonito, seguro, imponente e majestoso, o trem – se considerado em contraposição a paisagem – é um componente estético que foge ao comum e se demonstra maravilhoso, até mesmo sublime, quer em suas formas arrojadas atuais, quer em suas linhas e limitações primitivas, as vezes burlescas, outras quase poéticas...” (ANDRADE, 1998, p. 143)


Santa Casa de Misericórdia

Foi construída pelo mago criador de cidades Bento de Abreu Sampaio Vidal que doou o terreno e formou uma sociedade entre seus familiares para dar origem a Santa Casa de Misericórdia de Marília que foi inaugurada em 16 de junho de 1929.

Souto (2003)

Primeiro arranha-céu de Marília

Edificio Ouro Verde

Em 1949 surge em Marilia o primeiro arranha-céu da cidade (Edifício Ouro Verde), que se idealizou pela Comercial construtora Ferraz S.A. de Bauru, com 6 andares e com 30 conjuntos, localizado na avenida Sampaio Vidal, hoje é um prédio de salas comerciais. Souto(1991)






Marília Atlético Clube – MAC

A Associação Atlética São Bento surgiu em 20 de fevereiro de 1929, em uma reunião entre um grupo de pessoas de grande destaque social na época, onde o Sr. Bento de Abreu Sampaio Vidal ofereceu um terreno de 200 metros de frente por 100 de fundo, onde foi construída a sede da associação. Depois de varias crises, em 1967 encerrou-se as atividades da Associação Atlética São Bento e foi substituída pelo Marília Atlético Clube - o MAC - assim como é conhecido.

Lara (1991)

Atelier de pintura do artista Braz Alécio

Braz Alécio artista da terra, reconhecido internacionalmente pela beleza de suas obras que já retrataram vários recantos de Marília ao longo destes anos. O estúdio e atelier estão localizados em área cedida pela Unesp – Marília, na Avenida Vicente Ferreira, 1278 onde também são comercializadas suas obras.

Catedral Basílica de São Bento

A matriz de São Bento de Marília, ergueu-se como o padrão de fé e patriotismo da família de paulistas “Sampaio Vidal” como tradição fidalga de brasileiros que cultuavam a religião. A planta da matriz se deu pelas mãos do engenheiro e arquiteto Sr. J. W. Rodrigues e foi executada pelo engenheiro Dr. J. B. Meiller e custeada pelo Sr. Bento de Abreu Sampaio Vidal. A Matriz foi construída de acordo como mais puro estilo colonial em seus simples traços, com a mais majestosa beleza da arte. A paróquia de São Bento foi criada pelo Decreto de 15 de julho de 1929, de D. Alico Euzébio da Rocha. Nos primeiros dias da paróquia, o Rvmo. Padre Arnaldo Goertz deu assistência religiosa, logo em seguida foi nomeado o primeiro padre da paróquia d São Bento, o vigário Antônio da Graça Cristina.

Souto (2003)

Paróquia de Santo Antônio

A primeira capela era de pau a pique, ergueu-se no alto da colina em 1924 por Antônio Pereira da Silva. Em 1929 a Comissão Especial de Obras, lançou a pedra fundamental da primeira igreja de tijolos de Marília. Foi em 2002 que se ergueu à quarta igreja de Santo Antônio – ao invés de reformas a igreja era construída novamente, mas sempre ao arredor da menor, e quando a obra se concluía se demolia a menor que estava ao centro.

Tanuri (2003)

Casa verde

o primeiro comércio Casa Verde tinha como proprietário o português Luiz Felipe de Mello e surgiu em 1928 na Rua Ceará (hoje Rua 9 de julho), foi a primeira no ramo da construção, vendia ferragens, cal, cimento, pregos, martelos, madeiras, chapas de fogão, conjuntos sanitários, tintas, vidros, louça e outros artigos. Devido a um incêndio a loja foi construída nas confluências das Ruas 9 de julho com a Avenida Ipiranga (onde se encontra nos dias de hoje o Marilia Parque Bingo). O movimento da loja era muito grande e por essa razão em 1940 os Mellos abriram uma filial na Avenida Sampaio Vidal (hoje restaurante Giovanni), o comércio Casa Verde encerrou seus serviços em 1962.

Tanuri (2003)

Bradesco

Uma história guiada pela determinação em oferecer serviços e produtos bancários a todos os cidadãos, em todo o território brasileiro

Fundado em Marília em 10 de março de 1943.

Primeiro banco a colocar seus gerentes na área de atendimento ao público

Lança a primeira Conta Corrente Popular e Juvenil.

Inicia a expansão para o sul do Brasil com 7 agências no Paraná

O Bradesco é fundado por Amador Aguiar, com uma visão inovadora: ser um banco democrático, presente em todo o País, a serviço de seu desenvolvimento econômico e social.

Para isso, atende aos imigrantes, lavradores e pequenos comerciantes, além do público tradicional das casas bancárias, formado por empresários e grandes proprietários de terras.

Os gerentes ensinam os clientes a preencher cheques e o banco é o primeiro do País a receber o pagamento de contas de energia elétrica da empresa Light.

Com o crescimento das operações, a Matriz é transferida para o centro da capital paulista.

Banco Bradesco Nossa História